segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Alma

No dia 24 deste mês roubaram meu carro, como comentei no último post. No dia 26, ao sair de um curso de finanças, tive uma arma apontada para mim e escutei: ‘’Iço é um asçalto, paça a moxila mano’’. Pensei: ‘’todo meu trabalho está ali dentro, tudo que fiz até agora na AIESEC; minhas fotos da Malásia, não!’’. Quando fui reagir, no último segundo, lembrei de meus pais e somente passei o objeto desejado para o bandido. Laptop, dois celulares, três livros, um fone, cartão de crédito, CNH e a chave do meu ex-veículo (não sei porque estava lá) se foram. Em 3 dias, meus maiores bens materiais evaporaram. Novamente não vou fazer pensamentos negativos ou ‘’gorar’’ o ladrão, não vai adiantar nada, em 2 anos no máximo ele será morto em um tiroteio ou atropelado por um Crossfox preto ao tentar fugir de um novo assalto.

Por “increça que parível’’, em momento algum meu coração disparou, fiquei tranquilo na hora do assalto. Medo? Eu não tive. Quem teve foram os dois policiais que estavam numa guarita a poucos metros de onde ocorreu o crime. Dois minutos após informá-los sobre o assalto, a 200 metros vi o bandido com minha mochila atravessando a rua tranquilamente, apontei para os policias e sai correndo na direção do ‘’mano’’, olhei para trás e...estava sozinho. Abismado falei novamente aos defensores da população: ‘’ELE ESTÁ ALI! A-QUE-LE CA-RA ES-TÁ COM MI-NHA MO-CHI-LA!’’.

Escutei:

- Não posso sair daqui.

- Mas vocês estão em dois – disse.

- Também não posso deixar aqui vazio – o outro afirmou.

Fracos e burros. Se eles eram 2, se um fosse nada ficaria vazio. Mas, eu entendo. Para quê arriscar a vida por uma mochila? E acho que ficar na guarita é o ápice da carreira deles. Não tem motivo para perder isso. Enfim, foi uma semana daquelas, para ficar na história. Agora sim!Posso dizer que vivo em São Paulo. ‘’Seja bem-vindo Gustavo’’.

Pode ser que forças negativas estejam tentando me prejudicar, em um momento tão importante de minha vida e carreira. Vou chamá-las de Murphy.

Pobre Murphy, tão inocente. Quis me prejudicar e só me deu mais força. Falhou. Obrigado!! Eeeee \o/

Pode tirar meus bens de locomoção, de comunicação, de trabalho. Tire minha vestimenta se quiser. Mas jamais conseguirá tirar a minha essência. Meus valores, minha família, meus amigos, a educação que recebi e o amor pela vida permanecem e sempre estarão intactos dentro de mim. Minha verdadeira matéria é minha alma, alimentada por meus sonhos e pela satisfação em fazer de minhas ações fonte de desenvolvimento para outras pessoas.

A luta continua e é infinita. Assim como minha felicidade.


Um último detalhe: escolheu a semana errada para agir, Murphy. Sexta teve show do ACDC. Pra vida toda!