terça-feira, 6 de maio de 2014

Que tal trocar a figurinha "Imagina na Copa"?

Dentro das dezenas de "pacotinhos de opinião" que abrimos, ganhamos, vemos ouvimos ou já temos conosco, uma figurinha tem saído com maior frequência: "imagina na copa". Sem dúvida, ela já esteve contigo, leitor (ou ainda está). 

Com ela, gratuitamente vem uma carga de negatividade, descrença, passividade, transferência de responsabilidade, indignação, tristeza, e por aí vai. 

Um conselho: trocá-la, LOGO. Ou rapidamente bater um bafo para tirá-la de sua coleção. Ou melhor ainda, rasgá-la e não deixar que ela chegue a outras mãos.

Não que ela não tenha sentido nenhum. Isso tem. Faz parte da coleção. E, lógico, existem outras figurinhas deste álbum que estamos experimentando colecionar em nosso país que também não são queridinhas e nem deveriam ser. Entretanto a "imagina na copa" é a que mais me incomoda por sua simplicidade supérflua. Ela virou um códice de "tenho opinião formada"; um símbolo para "lavo minhas mãos perante a situação, afinal, assim como você, também estou indignado"; um atalho para cultivar com palavras o que se repudia na prática. 

Como ouvi recentemente "a impotência é a maior violência que podemos praticar contra nós mesmos". Alimentar este sentimento dentro de si, sem se mover, é assumir categoricamente um papel de mais um espectador no meio da multidão. 

O mundo não mudará com comentários raivosos, mas com atitudes que inspiram. Com respeito, com paz. 

E vale lembrar: existe bondade em todos os cantos, assim como o mal sempre busca seu espaço onde quer que seja. Recentemente, assumi o desafio de fazer parte da realização deste evento (a-há!). E acredite, estou aqui porque acredito que o bom e o bem sempre podem prevalecer. Que seres humanos de verdade podem mudar tudo, acima de qualquer estrutura, acima de qualquer mau uso de recursos.

Questionar o país, os governantes e suas decisões será sempre válido. Mas temos que tomar um grande cuidado: o de não cair num limbo intelectual, onde a "ação" mais praticada é a fala, a crítica. E só. 

Bom, e neste desa-bafo, deixo uma lista de outras figurinhas que podem representar uma bela troca pela "imagina na copa": 

"Imagina eu fazendo a diferença"
"Pode vir de mim"
"Eu sou a mudança"
"Acordei, de verdade. Juro, veja o que eu estou fazendo"
"Eu posso inventar minha figurinha"

"O começo destas palavras é o mesmo: a letra f. Quem f-AZ, vai de A à Z, aproveita toda a jornada. Mas, quem só f-ALA, no fim, não sai do A."